Ana Leal, o rosto feminino por trás do sucesso da André Opticas

A André Opticas revolucionou o mercado dos óculos em Portugal. Sete lojas e 39 anos depois, com a vantagem de se manter na família, Ana Leal faz parte da fundação desta empresa com selo português que abriu as portas à moda. Hoje, a André Opticas é reconhecida em todo o mundo. Em 2016, a sua loja da Avenida da Liberdade foi escolhida para o lançamento da Private Eyewear Collection by Tom Ford. Empreender é uma palavra-chave no percurso de sucesso da André Opticas. E Ana Leal faz parte deste universo de sucesso. Entrevista exclusiva a uma das empresárias de vulto do panorama nacional.

Para quem ainda não a conheça, quem é a mulher e a empresária Ana Leal?

Nasci em Lisboa, há 59 anos, cidade onde cresci, estudei e conheci o meu marido.Casada há 40 anos, fui mãe aos 20 e fundei a empresa em 1981 – ao lado do Plínio, o meu marido -, que batizámos com o nome do nosso filho, André, na altura com quatro meses. Sou fascinada por moda desde muito cedo, bem como pela criatividade e pelo design, de um modo geral, tendo colocado todo o meu entusiasmo e empenho tanto nos layouts dos nossos espaços como na escolha das coleções de óculos, apresentando aos nossos clientes diversidade e exclusividade de marcas. Na vida pessoal, sou muito ligada à família, aos filhos e aos netos, adoro viajar, ler, pintar e fazer jardinagem.

Como mulher e empreendedora, e à luz da sua experiência, como vê o papel das mulheres no empreendimento e concretização de projetos profissionais?

No âmbito do empreendedorismo e projetos profissionais, vejo o papel das mulheres e dos homens ao mesmo nível. Ao longo destes 39 anos foram sendo acrescentados ativos à empresa, que ajudaram a revolucionar o negócio: no e-commerce a Rita, minha nora, e na área da Comunicação e Atelier, o André.

Ao longo do seu percurso, quais foram os maiores desafios que se lhe colocaram e que, na sua opinião, ainda hoje as mulheres empresárias enfrentam?

Nunca senti, na concretização dos meus projetos profissionais, qualquer obstáculo pelo facto de ser mulher. Considero que o maior desafio de uma mulher empresária é a gestão das vidas profissional e pessoal, pela acumulação de funções que, normalmente, estão adstritas às mulheres.

Que conselhos que daria a uma mulher empresária que também sonha concretizar o seu projeto pessoal?

Que seja focada, persistente e que acredite no projeto que definiu.

Na lógica de uma rede de relacionamento empresarial entre mulheres, o que significa para si o F Club?

A possibilidade de conhecer mulheres em diferentes áreas de negócio e a troca de experiências e de conhecimento. Sendo o F Club criado pela Fátima Magalhães, dá-me a garantia de que vou encontrar empresárias com um posicionamento de negócio similar ao da André Opticas.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Subscreva a nossa newsletter